Curso:

 Análise do Comportamento Verbal na Clínica Psicológica  

Carga horária:

 16 hs

Horário:

 das 8h às 18h

Semestre:

 1º semestre

Dias:

 29 e 30 de junho de 2019

Docentes:

 Dr Paulo Abreu (IACC)

 Dtda Juliana Abreu (USP e IACC)

 Local:

 Instituto de Análise do Comportamento de Curitiba (IACC)

 

 

CARACTERIZAÇÃO

Por décadas a linguagem na psicoterapia tem sido basicamente a matéria prima do trabalho do psicólogo. E dentro da ciência da análise do comportamento, a linguagem tem sido melhor caracterizada como sendo comportamento verbal.

O comportamento verbal de um falante caracteriza-se principalmente por ter sua consequência mediada por um ouvinte especialmente treinado por uma comunidade verbal. Participam da mesma comunidade falante e ouvinte. Em uma análise funcional do comportamento do falante como a descrita por Skinner (1957/1992), inicialmente é feita a seleção do operante verbal de interesse para, a seguir, ser analisada a contingência envolvida. A descrição cuidadosa das circunstâncias controladoras do comportamento verbal do falante necessariamente incluirá o comportamento do ouvinte como uma variável crítica.

O processo responsável pela instalação e manutenção do operante verbal é o reforçamento socialmente mediado e, por isso, analisar o comportamento verbal na sessão terapêutica é, em última instância, analisar as contingências de reforçamento dispostas entre terapeuta e cliente.

O curso tem por objetivo apresentar e caracterizar as propostas analítico-comportamentais para a linguagem e a cognição, com foco na conversação clínica. Ao final do curso, o participante deverá ser capaz de identificar e analisar os principais operantes verbais skinnerianos e as implicações das teorias sobre relações arbitrárias entre estímulos para a conversação clínica. 

 

REFERÊNCIAS

Abreu, P. R., Hübner, M. M. C., & Lucchese, F. (2012). The role of shaping the client’s interpretations in functional analytic psychotherapy. The Analysis of Verbal Behavior, 28, 151-157. doi: 10.1007/BF03393117.

Abreu, P. R. & Hübner, M. M. C. (2012). O comportamento verbal para B. F. Skinner e para S. C. Hayes: uma síntese com base na mediação social arbitrária do reforçamento. Acta Comportamentalia, 20. 367-381.

Hayes, S. C., Barnes-Holmes, D., & Roche, B. (2001b). Epilogue. In: S. C. Hayes, D. Barnes-Holmes, & B. Roche (Eds). Relational frame theory: A post-skinnerian account of human language and cognition (pp. 253-255). New York: Kluwer Academic/Plenum Publishers.Barnes-Holmes, D.; Barnes-Holmes, Y.; & Cullinan, V.  (2000). Relational frame theory and Skinner’s Verbal Behavior: a possible synthesis. The Behavior Analyst, 23 (1), 69-84.

Barnes-Holmes, D.; O’Hora, D.; Roche, B.; Hayes, S.C; Bisset, R. T.; & Lyddy, F. (2001). Understanding and verbal regulation.  In: S. C. Hayes, D. Barnes-Holmes, & B. Roche (Eds). Relational frame theory: A post-skinnerian account of human language and cognition (pp. 103-117). New York: Kluwer Academic/Plenum Publishers.

Burgos, J. E. (2003). Laudable goals, interesting experiments, unintelligible theorizing: a critical review of Relational Frame Theory. Behavior and Philosophy, 31, 19-45.

Galizio, M. (2003). The abstract operant: a review of Relational Frame Theory: a Post-Skinnerian Account of Human Language and Cognition, edited by S.C Hayes, D. Barnes-Holmes, and B. Roche. The Behavior Analyst, 26 (1), 159-169.     

Hayes, S. C. & Barnes-Holmes, D (2004). Relational operants: processes and implications: a response to Palmer’s review of Relational Frame Theory. Journal of Experimental Analysis of Behavior, 82(2), 213-224.

Hayes, S. C., Barnes-Holmes, D., & Roche, B. (2001). Relational frame theory: A post-skinnerian account of human language and cognition. New York: Kluwer Academic/Plenum Publishers.

Hayes, S. C., Barnes-Holmes, D., & Roche, B. (2003). Behavior analysis, relational frame theory, and the challenge of human language and cognition: a reply to commentaries on Relational Frame Theory: a Post-Skinnerian Account of Human Language and Cognition. The Analysis of Verbal Behavior, 19, 39-54.

Hayes, S. C., & Hayes, L. J. (1989). The verbal action of the listener as a basis for rule-governance. In S. C. Hayes (Ed.), Rule-governed behavior: cognition, contingencies and instructional control (pp. 153-190). New York: Plenum.

Hayes, S.C.; Strosahl, K.D., & Wilson, K.G. (1999). Acceptance and commitment therapy: An experiential approach to behavior change. Guilford: New York.

Hayes, S. C., Zettle, R. D., & Rosenfarb, I. (1989). Rule following. In: S. C. Hayes (Ed.), Rule-governed behavior: cognition, contingencies, and instructional control (pp. 191-220). New York: Plenum

Kohlenberg, R. J. & Tsai, M. (2004). Psicoterapia analítica funcional: criando relações terapêuticas intensas e curativas.. (tradução organizada por R. R. Kerbauy) Santo André: ESEtec. (originalmente publicado em 1991).

Leigland, S. (1997). Is a new definition of verbal behavior necessary in light of derived relational responding? The Behavior Analyst, 20 (1), 3-9.    

Matos, M. A. (2001). Comportamento governado por regras. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 3 (2), 51-66.

McIlvane, W. J. (2003). A stimulus in need of a responde: a review of Relational Frame Theory: a Post-Skinnerian Account of Human Language and Cognition. The Analysis of Verbal Behavior, 19, 29-37.

Osborne, J. G. (2003). Beyond Skinner? A review of Relational Frame Theory: a Post-Skinnerian Account of Human Language and Cognition, by Hayes, Barnes-Holmes, and Roche. The Analysis of Verbal Behavior, 19, 19-27.

Palmer, D. C. (2004). Data in search of a principle: a review of Relational Frame Theory: a Post-Skinnerian Account of Human Language and Cognition. Journal of Experimental Analysis of Behavior, 81(2), 189-204.

Salzinger, K. (2003). On the verbal behavior of Relational Frame Theory: a Post-Skinnerian Account of Human Language and Cognition. The Analysis of Verbal Behavior, 19, 7-9.

Sidman, M. (1994). Equivalence relations and behavior: A research story. Boston: Authors Cooperative.

Sidman, M. (2000). Equivalence relations and the reinforcement contingency. Journal of Experimental Analysis of Behavior, 74(1), 127-146.

Skinner, B. F. (1988) The fable. The Analysis of Verbal Behavior, 6, 1-2.

Skinner, B. F. (1992). Verbal behavior. Acton, MA: Copley Publishing Group. (Original work published 1957)

Spradlin, J. E. (2003). Alternative theories of the origin of derived stimulus relations. The Analysis of Verbal Behavior, 19, 3-6.

Stemmer, N. (1995). Do we need an alternative theory of verbal behavior? A reply to Hayes and Wilson. The Behavior Analyst, 18 (2), 357-362.     

Tonneau, F. (2001). Equivalence relations: a critical analysis. European Journal of Behavior Analysis, 2 (1), 1-33.

Vargas, E. A. (1998). Verbal behavior: implications of its mediational and relational characteristics. The Analysis of Verbal Behavior, 15, 149-151.

 

EMENTA

 

  • Evolução do comportamento verbal enquanto efeito histórico das contingências sociais envolvidas entre falante e ouvinte
  • Definição do comportamento verbal
  • Análise funcional do comportamento verbal
  • O episódio verbal
  • Identificação das variáveis de controle de tatos, mandos, intraverbais, textuais e autoclíticos
  • Edição do comportamento verbal
  • O papel do reforçamento arbitrário mediado socialmente no ensino de relações arbitrárias entre estímulos
  • Relação entre equivalência de estímulos, teoria das molduras relacionais e comportamento verbal
  • O comportamento governado por regras
  • Comportamento verbal na Psicoterapia Analítica Funcional (FAP)
  • Comportamento verbal na Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT) 

 

CONHEÇA A FORMAÇÃO ACADÊMICA DOS FACILITADORES:

Paulo Roberto Abreu [CRP 08/10533] é psicólogo clínico, doutor do Laboratório de Operantes Verbais pelo Departamento de Psicologia Experimental da USP. Aprimoramento em Terapia Comportamental Dialética (DBT) pelo Behavioral Tech/Linehan Institute. Professor dos cursos de Especialização em Terapia Comportamental do Hospital Universitário da USP (HU-USP) e da Especialização de Terapia Comportamental e Cognitiva em Saúde Mental do Ambulatório de Ansiedade, Instituto de Psiquiatria, do Hospital de Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (AMBAN – IPq – HCFMUSP). Editor Chefe da Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva (RBTCC), principal publicação científica da Associação Brasileira de Psicologia e Medicina Comportamental (ABPMC). Coordenador do Instituto de Análise do Comportamento de Curitiba (IACC).

 

Juliana Helena Abreu [CRP 08/IS-324] é psicóloga clínica. Doutoranda do Laboratório de Operantes Verbais pelo Departamento de Psicologia Experimental do Instituto de Psicologia da USP. É mestre em Psicologia Experimental na PUC-SP (2012). É professora do curso de Especialização em Terapia Comportamental do Hospital Universitário da USP (HU-USP).

 

PÚBLICO-ALVO

Psicólogos e médicos psiquiatras; estudantes de psicologia e psiquiatria

 

LOCAL DO CURSO

IACC – Rua Padre Anchieta, 2348 (Auditório). Champagnat, Curitiba.

Atenção – Sua instituição tem interesse em levar esse curso para a sua cidade? Entre em contato conosco no Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

FORMAS DE PAGAMENTO

Estudante (graduação e pós graduação – necessário enviar comprovante de matrícula):

1 X R$ 650,00 (depósito único antes da primeira aula); ou

2 X R$ 325,00 (depósito da primeira parcela antes da primeira aula, e da segunda parcela no dia da aula)

 

Profissional:

1 X R$ 750,00 (depósito único antes da primeira aula); ou

2 X R$ 375,00 (depósito da primeira parcela antes da primeira aula, e da segunda parcela no dia da aula)

Atenção - Após efetuar o depósito, favor enviar o recibo para o email Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. para validar a sua vaga no curso.

 

DADOS DA CONTA

Banco do Brasil
Paulo Roberto Abreu
Agência- 3262-X
CC – 91987
CPF – 00607430931

 

FICHA DE INSCRIÇÃO 

Desenvolvido por Paulo Abreu